top of page
Buscar

Domingo, 04 de Junho de 2023

Praça São Pedro

 

Queridos irmãos e irmãs, Bom dia!


Hoje, solenidade da Santíssima Trindade, o Evangelho é extraído do diálogo de Jesus com Nicodemos (cf. Jo 3, 16-18). Nicodemos era membro do Sinédrio, apaixonado pelo mistério de Deus: reconhece em Jesus um mestre divino e vai falar com ele em segredo, à noite. Jesus o escuta, compreende que é um homem em busca, e então primeiro o surpreende, respondendo que para entrar no Reino de Deus é preciso renascer; depois revela-lhe o âmago do mistério, dizendo que Deus amou tanto a humanidade que enviou o seu Filho ao mundo. Jesus, portanto, o Filho, fala de seu Pai e de seu imenso amor.


Pai e filho. É uma imagem familiar que, se pensarmos bem, perturba nossas imagens de Deus. Com efeito, a própria palavra “Deus” sugere-nos uma realidade singular, majestosa e longínqua, ao passo que falar de um Pai e de um Filho remete-nos para casa. Sim, podemos pensar em Deus desta forma, através da imagem de uma família reunida à mesa, onde se partilha a vida. Além disso, a mesa, que é também um altar, é um símbolo com o qual certos ícones representam a Trindade. É uma imagem que nos fala de um Deus de comunhão. Pai, Filho e Espírito Santo: comunhão.


Mas não é apenas uma imagem; é realidade! É realidade porque o Espírito Santo, o Espírito que o Pai derramou em nossos corações por meio de Jesus (cf. Gl 4,6), nos faz saborear, nos faz saborear a presença de Deus: a presença de Deus, sempre próximo, compassivo e terno. O Espírito Santo faz connosco o que Jesus faz com Nicodemos: introduz-nos no mistério do novo nascimento, do nascimento da fé, da vida cristã, revela-nos o coração do Pai e torna-nos partícipes da própria vida do Deus.


O convite que ele nos faz, poderíamos dizer, é de nos sentarmos à mesa com Deus para partilhar do seu amor. Esta seria a imagem. É o que acontece em cada Missa, no altar da mesa eucarística, onde Jesus se oferece ao Pai e se oferece por nós. Sim, assim é, irmãos e irmãs, o nosso Deus é comunhão de amor: e assim Jesus no-lo revelou. E sabe como podemos lembrar disso? Com o gesto mais simples, que aprendemos desde crianças: o sinal da cruz, com o sinal da cruz. Com o gesto mais simples, com este sinal da cruz, ao traçar a cruz no nosso corpo, recordamos-nos o quanto Deus nos amou, a ponto de dar a sua vida por nós; e repetimos para nós mesmos que o seu amor nos envolve completamente, de cima a baixo, da esquerda à direita, como um abraço que nunca nos abandona. E, ao mesmo tempo, comprometemo-nos a dar testemunho de Deus-amor, criando comunhão em seu nome. Talvez agora, cada um de nós, e todos juntos, façamos o sinal da cruz sobre nós mesmos...


Hoje, portanto, podemos nos perguntar: damos testemunho de Deus-amor? Ou Deus-amor tornou-se, por sua vez, um conceito, algo que já ouvimos, que já não desperta, provoca a vida? Se Deus é amor, nossas comunidades dão testemunho disso? Eles sabem amar? Nossas comunidades sabem amar? E a nossa família… sabemos amar em família? Mantemos sempre a porta aberta, sabemos acolher todos – e enfatizo, todos – para acolhê-los como irmãos e irmãs? Oferecemos a todos o alimento do perdão de Deus e da alegria evangélica? Respira-se o ar de casa, ou assim nos assemelhamos mais a um escritório ou a um lugar reservado onde só os eleitos podem entrar? Deus é amor, Deus é Pai, Filho e Espírito Santo, e deu a sua vida por nós, por esta cruz.


E que Maria nos ajude a viver a Igreja como aquela casa onde se ama de modo familiar, para a glória de Deus Pai, do Filho e do Espírito Santo.

 

Queridos irmãos e irmãs!


Asseguro a minha oração pelas numerosas vítimas do acidente ferroviário ocorrido há dois dias na Índia. Estou perto dos feridos e de suas famílias. Que o Pai Celestial acolha as almas em seu reino.


Saúdo-vos, romanos e peregrinos da Itália e de muitos países, em particular os fiéis de Villa Alemana, Chile, e os candidatos à Confirmação de Cork, Irlanda. Saúdo os grupos de Poggiomarino, Roccapriora, Macerata, Recanati, Aragona e Mestrino; assim como os jovens que recebem a Crisma e a Primeira Comunhão, de Santa Giustina in Colle.


Uma saudação especial aos representantes dos Carabinieri, aos quais agradeço a sua proximidade diária à população; que a Virgo Fedelis, sua Padroeira, proteja vocês e suas famílias. A Ela, Mãe solícita, confio as populações atingidas pelo flagelo da guerra, especialmente a querida e sitiada Ucrânia.


Saúdo todos vós, também os jovens da Imaculada que são bons, e desejo a todos um domingo abençoado. E, por favor, não se esqueça de orar por mim. Obrigado, aproveite seu almoço e chegou!

1 visualização
bottom of page