Buscar

INTENÇÕES DE MISSA

As intenções deverão ser marcadas, preferencialmente, com antecedência na Secretaria Paroquial. Ainda, poderão ser marcadas antes de cada celebração, na própria igreja.


Na Paróquia São João Batista e Santa Luzia, a Missa Dominical das 9h e 18h é exclusiva para a aplicação da “missa pro populo”, isto é, em favor de todo povo.


É extremamente salutar que quem pediu a intenção participe da celebração.

Normalmente, as intenções da missão são de ação de graças; em honra dos santos; pedidos de saúde ou outros; intenções de 7º dia, 30º dia e 1 ano de falecimento; e pelos fiéis falecidos.





I. A teologia, no que diz respeito à aplicação da missa por uma intenção determinada, faz a seguinte distinção que se tornou clássica, entre os diversos tipos de frutos da missa.


1. Frutos Gerais: são os advindo do fato de o sacerdote celebrar a missa como um ato de Cristo e da Igreja. Por isso mesmo, esses frutos, que são os primordiais, valem para toda a Igreja, já que o sacrifício de Cristo é, por sua própria natureza, universal.


2. Frutos Especiais: o sacerdote pode, durante a celebração eucarística, rezar, de modo especial por algumas intenções particulares. Inclusive os ritos litúrgicos previram sempre os “mementos”, com a inclusão de nomes particulares de pessoas, e tempo de silêncio para a oração pessoal do sacerdote e dos presentes. Sendo o sacrifício eucarístico “ápice e cume de todo o culto e da vida cristã”, essa oração especial, durante usa celebração, sempre foi tida em grande apreço pela Igreja, que reconheceu e reconhece a sua liceidade. Por isso, o Cân. 901 diz que “o sacerdote pode aplicar a missa por quaisquer pessoas, vivas ou defuntas”.


3. Frutos Especialíssimos: pelo próprio fato de celebrar com reta intenção e em estado de graça, o sacerdote realiza um obra agradável a Deus. Assim, impetra também para si a graça divina. Como é lógico, esses frutos especialíssimos são intransferíveis a outras pessoas.

A Igreja, portanto, de acordo com a doutrina exposta e seguindo uma prática antiqüíssima, reconhece a liceidade da aplicação dos frutos especiais, por qualquer pessoa viva ou falecida.

De acordo com o costume aprovado repetidamente pela Igreja, é lícito ao sacerdote que celebra ou concelebra e aplica os frutos especiais em favor de uma intenção previamente determinada receber um estipêndio ou espórtula oferecida pelos fiéis com essa finalidade. Recomenda-se, porém, que, mesmo sem receber nenhuma espórtula, celebre a missa na intenção dos fiéis, sobretudo dos mais pobres (Cân. 945). Por sua parte, os fiéis devem ter presente que, com suas ofertas, contribuem para o bem da Igreja e participem do culto e das obras que são sustentados com suas esmolas (cf. Cân. 946) – cf. Jesús Hortal, Os Sacramentos da Igreja na sua Dimensão Canônico-Pastoral (Coleção Igreja e Direito Edições Loyola, São Paulo, 2009 – 4ª Edição, pág. 123-127. II.)


 Assim, o que é uma espórtula?


Espórtula – sportula – é uma palavra de origem latina. Era um cestinho de palha ou de madeira entrelaçada para colocar ali uma oferta em dinheiro ou víveres. Quem prestasse um serviço a alguém recebia uma sportula; um cestinho com algum dinheiro ou alimento, em agradecimento. Hoje em dia, ofertas em dinheiro costumam ser colocadas num envelope. Antigamente era no cestinho, na sportula. Foi assim que o cestinho passou a designar a oferta que o padre recebe em reconhecimento pela celebração.


A espórtula não é invenção da Igreja, mas herança judaica. Os levitas tinham o direito de receber uma contribuição pelo serviço de culto que prestavam em nome do povo (Leia: Nm 18, 8-20 e Dt 18, 1). São Paulo evoca esse direito e argumenta que ele tem direito à oferta pelo trabalho apostólico, pois precisa disso para sobreviver e, recordando o direito levítico, Paulo diz que os ministros do culto vivem da oferta do culto (Leia: 1Cor 9, 13-14).

III. Na Arquidiocese de Florianópolis está em vigor a seguinte Tabela de Emolumentos.


ESPÓRTULAS (cf. Cân. 945-958 do Código de Direito Canônico e Decreto da Congregação do Clero de 22 de janeiro de 1991)


Missa (Ordinária – “Manual”): R$ 20,00

Missa (Intenção Coletiva)*: R$ 20,00

Missa em ocasiões especiais: (Formaturas, etc.) R$ 50,00


Na Missa com intenção coletiva, a oferta deve ser livre. Do total ofertado, o sacerdote, de uma única missa por dia, poderá receber somente o valor determinado, isto é, R$ 20,00. O que exceder deste valor, deverá ser destinado aos POBRES ou ao complemento do valor determinado, quando, em algumas circunstâncias, as ofertas não atingirem o quanto estipulado nesta Tabela.


Os pastores de almas devem aplicar a missa pelo povo que lhes foi confiado (“missa pro populo”), todos os domingos e nas outras festas de preceito (cf. Cân. 388; Cân. 429; Cân. 534; Cân. 540, §1 do Código de Direito Canônico).



2 visualizações

Endereço

Expediente da Secretaria

Horário da Secretaria

Terça a Sexta das 14:00 às 18:00

Sábado das 08:00 às 12:00h

Cadastre seu E-mail

Receba nossas Informações

cnbbBrasil.jpg
Santa-Sé.jpg
ArqFln.jpg

© Todos os Direitos Reservados • Paróquia de São João Batista e Santa Luzia  •   CNPJ 083.932.343/0013-55

Site Desenvolvido por:

QUALITY Soluções Web

© 1996-2021 "25 anos inspirando Tecnologia para Você!