Buscar

Santa Inês Cao Kuiying


Mesmo engaiolada na China, não negou a fé.


Nascimento e primeiros anos Inês Cao Kuiying nasceu numa aldeia chinesa. Ainda bem novinha, foi para um orfanato depois da morte de seus pais, que eram católicos.


Fraternidade católica Quando jovem, mudou-se para Xingyi (China) em busca de trabalho. Lá, conheceu uma mulher, também católica, que a acolheu em sua casa. Foi nesse tempo que a jovem Inês se encontrou, pela primeira vez, com o Bispo Bai, que estava de passagem por aquela cidade.


Intervenção da Providência Assim que o Bispo descobriu que aquela jovem não tinha família, quis ajudá-la inserindo-a na paróquia local. Ele a levou para participar de um aprofundamento de fé que acontecia na paróquia da cidade, e logo se impressionou com os rápidos progressos que Inês fazia.


Matrimônio e provações Ao completar dezoito anos, ela se casou com um homem daquela região que trabalhava numa fazenda. Após o casamento, ela o descobriu muito violento. A partir daí, a jovem Inês enfrentou novas dificuldades. Seu cunhado e sua cunhada também passaram a tratá-la com desprezo por ser cristã. Este tratamento foi piorando cada vez mais, a ponto de Inês passar fome dentro da própria casa.


Viuvez Infelizmente, a situação ficou bem pior depois do falecimento de seu marido: foi expulsa de casa. Para não passar fome, Inês fez trabalhos temporários em casas de família. Por causa desses trabalhos, conheceu uma piedosa viúva católica que a convidou para morar com ela. Em pouco tempo, era nítido o progresso espiritual que Inês vivia, ajudada por aquela mulher que a acolheu em casa.


Sacramentos Por graça de Deus, a patroa de Inês sempre recebia em sua casa a visita de um sacerdote que ministrava para ela o Sacramento da Reconciliação (confissão) e a Eucaristia (celebrava a Santa Missa). Com isso, Inês cultivou com grande esmero a sua própria espiritualidade.


Atitude missionária e vida ativa Certa vez, Inês conheceu um missionário que, encantado com o conhecimento que ela possuía sobre a fé católica, a convenceu sair em missão para ensinar a Palavra de Deus. Ela então mudou-se para Baijiazhai, em 1852, onde passou a ensinar o catecismo. De um lado para o outro, Inês pregava a Palavra de Deus e transmitia a fé católica. Em seus tempos livres, ela cozinhava, cuidava de uma casa de família e ainda fazia trabalhos de babá.


Perseguição cristã O governo local adotou posturas cada vez mais intransigentes com os cristãos. Inês e muitos outros católicos foram levados sob custódia. Embora muitos daqueles cristãos presos tivessem sido libertados pouco tempo depois, Inês e mais um sacerdote, foram mantidos no cárcere.


Engaiolada, manteve-se firme na fé O Juiz daquela forania ainda tentou persuadir Inês a negar sua fé. Porém, ela manteve-se firme. Ele fez ameaças ainda mais duras ao dizer que ela seria torturada se não negasse sua fé. Mais uma vez, a jovem não demonstrou medo. Por fim, o magistrado a trancou em uma gaiola tão pequena, de modo que ela não conseguia se mexer. Do seu interior brotou a seguinte oração: “Deus, tenha misericórdia de mim; Jesus me salve!”.


Seu último clamor Em 1º de março de 1856, ela gritou forte: “Meu Deus, me ajude!”, e expirou aos 35 anos. O Papa Leão XIII a proclamou bem-aventurada em 27 de maio de 1900, e no dia 1º de outubro de 2000, o Papa João Paulo II a canonizou com mais 120 mártires da China.


A minha oração “Senhor, as situações que vivemos tentam nos engaiolar e, cada vez mais, o cerco se fecha para os cristãos. Dai-nos a coragem necessária para, diante das perseguições do tempo presente, não negarmos a Cristo. Assim seja.”


Santa Inês Cao Kuiying, rogai por nós!


Outros beatos e santos que a Igreja faz memória em 1º de março:

  1. São Félix III, papa, [† 492]

  2. Santo Albino, bispo, na França, promoveu com ardor o Terceiro Concílio de Orleães para a renovação da Igreja [† c. 550]

  3. São David, bispo, em Gales, fundou um mosteiro, de onde partiram muitos monges para evangelizar [† c. 601]

  4. São Siviardo, abade de Anisole na França [† c. 680]

  5. São Suitberto, bispo, na Alemanha, anunciou o Evangelho aos Bátavos, aos Frisões e a outros povos da Germânia e morreu piedosamente, já em idade avançada, no mosteiro que tinha fundado [† 713]

  6. São Leão, bispo e mártir, Na Gasconha sudoeste da França e noroeste da Espanha [† s. IX]

  7. São Leão Lucas, abade de Monte Mula, que resplandeceu na vida eremítica e cenobítica segundo a observância dos monges orientais na Itália [† c. 900]

  8. São Rosendo, que foi primeiramente bispo de Dume, em Portugal, onde procurou promover e restaurar nesta região a vida monástica e, renunciando ao ministério episcopal, tomou o hábito monástico no mosteiro de Celanova, que dirigiu como abade na Espanha [† 977]

  9. Beato Cristóvão de Milão, presbítero da Ordem dos Pregadores, muito dedicado ao culto divino e à doutrina sagrada na Itália [† 1484]

  10. Beata Joana Maria Bonomo, abadessa da Ordem de São Bento, na Itália, dotada de dons místicos, experimentou no corpo e na alma as dores da Paixão do Senhor [† 1670]

Fontes:

  • saintagnestsao.org

  • Martirológio Romano

Pesquisa: Diácono Gleidson Carvalho – Comunidade Canção Nova – Vitória da Conquista (BA) Produção e edição: Fernando Fantini – Comunidade Canção Nova

0 visualização