Buscar

São Ciro e Santa Julita - 16 de Junho


Julita vivia na cidade de Icônio, de família muito rica, era pertencente à alta aristocracia cristã de sua região. Ficou viúva logo após o nascimento de seu filho Ciro. O governador de Licaônia, Domiciano, iniciou uma grande perseguição contra os cristãos, fazendo com que ela procurasse refúgio em Selêucia e depois em Tarso.

Na cidade de Tarso, Julita foi presa por ordem do governador da Cilícia, Alexandre, por declarar-se cristã. O governador tirou-lhe o filho e mandou-a flagelar. No tormento, ela não parava de repetir: “Sou cristã”, e Ciro forcejava para escapar dos braços do governador e voltar para os da mãe; o menino também gritava: “Eu também sou cristão”.

Enfurecido, Alexandre apanhou a criança por um pé e atirou-a violentamente contra os degraus do tribunal, resultando numa fratura no crânio. Julita, ao invés de chorar, agradeceu a Deus por ter visto seu filho morrer ornado com a coroa do martírio. Os suplícios que a ela foram infligidos em seguida não abalaram sua constância, sendo assim, foi decapitada. Era o ano de 304.

Mãe e filho testemunharam que a fé em Jesus é maior que tudo. Permaneceram unidos em Cristo, não temendo à morte. São Ciro é um dos mártires mais jovens cristianismo, precedido apenas dos Santos Mártires Inocentes, exterminados pelo rei Herodes em Belém. O santo intercede por todas as crianças que sofrem maus tratos.

São Ciro e Santa Julita, rogai por nós!

0 visualização