Buscar

São Luís Scrosóppi - 3 de Abril


Padroeiro

Com a sua intercessão a favor dos pequenos, dos pobres, da juventude em dificuldade, das pessoas que sofrem, de quantos vivem situações penosas, também hoje, padre Luís continua a indicar para todos a estrada da união com Deus, da compaixão e do amor, além disso, está pronto para acompanhar os passos daqueles que se entregam à Providência de Deus.


Naturalidade

Luís Scrosoppi nasceu em 4 de agosto de 1804, em Údine, cidade do Friuli, no Norte da Itália. Cresce num ambiente familiar rico de fé e caridade cristã. Aos doze anos, inicia o caminho do sacerdócio, frequentando o seminário diocesano de Údine e, em 1827, é ordenado sacerdote; ao seu lado estão os irmãos Carlos e João Batista, ambos sacerdotes.

Descoberta do chamado

Num ambiente paupérrimo do Friuli de 1800, debilitado pela carestia, guerras e epidemias, Luís dedica-se, com outros sacerdotes e um grupo de jovens professoras, à acolhida e à educação das “derrelitas”, as jovens mais sozinhas e abandonadas de Údine e dos arredores. Para elas, ele coloca à disposição os seus bens, às suas energias, o seu afeto. A sua vida, de fato, é uma expressão palpável da grande confiança na Providência divina. Assim escreve, a respeito da obra de caridade na qual está envolvido: “A Providência de Deus, que dispõe os ânimos e rende os corações para favorecer as suas obras, foi a única fonte da existência deste Instituto… Aquela amorosa Providência, que não deixa confundir quem nela confia“. Não perde ocasião para infundir essa confiança e serenidade nas meninas acolhidas e nas jovens senhoras que se dedicam à sua educação.

Início da Fundação

Na tarde do dia 1 de fevereiro de 1837, as nove senhoras, que colaboraram na educação das meninas, escolhem viver na pobreza e na doação total de si. É nesta simplicidade que nasce a Congregação das Irmãs da Providência, a família religiosa fundada pelo padre Luís.


Fundamentos da espiritualidade

O fundador as encoraja ao sacrifício e as exorta aos cuidados afetuosos das meninas, que devem considerar a “pupila dos seus olhos“. Disse-lhes: “Mais que qualquer outra coisa, estas filhas dos pobres têm necessidade de educar o coração e de aprender tudo o que é necessário para conduzirem honestamente a sua vida“. E ainda: “O cansaço, a aplicação, a ocupação contínua e as preocupações fastidiosas para ajudá-las, socorrê-las e instruí-las, não vos desencorajem, sabendo que fazeis tudo isto a Jesus“. Entretanto, Luís vai amadurecendo a necessidade de uma consagração mais total ao Senhor. Está fascinado pelo ideal de pobreza e de fraternidade universal de Francisco de Assis, mas os acontecimentos da vida e da história o conduzirão sobre os passos de São Felipe Neri. A vocação “oratoriana” de Luís se realiza em 1846; e, na maturidade dos seus 42 anos, torna-se filho de São Felipe: dele aprende a mansidão e a doçura, que o ajudarão a ser mais idôneo na função de fundador e pai da Congregação das Irmãs da Providência.


Obras construídas

Todas as obras por ele empreendidas, durante a sua vida, refletem essa escolha preferencial para os mais pobres, para os últimos, os abandonados. “Doze casas – havia profetizado – abrirei antes da minha morte“, e isso aconteceu. Doze casas nas quais as Irmãs da Providência se dedicam num serviço humilde, com empenho e alegre às jovens à mercê de si mesmas, aos doentes pobres e transcurados, aos anciãos abandonados.


Dificuldades e provações

Na segunda metade de 1800, a Itália, região após região, vai se unificando. Uma das consequências disso, que aconteceu infelizmente num clima anticlerical, é o decreto de supressão da “Casa das Derrelitas” e da Congregação dos Padres do Oratório, de Údine. Tem início para o padre Luís uma dura luta para salvar as obras a favor das “derrelitas” e consegue, mas não pôde fazer nada para impedir a supressão da Congregação do Oratório. A triste situação política consegue, assim, destruir as estruturas materiais da Congregação do Oratório de Údine, contudo, não pode impedir Padre Luís de permanecer para sempre discípulo fiel de São Felipe.


Doença e falecimento

No fim de 1883 é constrangido a suspender toda atividade, as forças começam a diminuir e é atormentado por uma febre constantemente alta. A doença progride de modo inexorável. Recomenda às Irmãs de nada temer” porque foi Deus que fez nascer e crescer a Família religiosa e será ainda Ele que a fará progredir“. Quando sente chegar o fim dirige as últimas palavras às Irmãs: “Depois da minha morte, a vossa Congregação terá muitas tribulações, mas depois renascerá a vida nova. Caridade! Caridade! Eis o espírito da vossa família religiosa: salvar as almas e salvá-las com a Caridade“. Na noite de quinta-feira, 03 de abril de 1884, faleceu o santo.


Oração

Ó Senhor, que, em São Luís, acendeu o fogo do teu amor para a humanidade sofredora e o tornou modelo de santidade para todos nós, infundi o mesmo Espírito de caridade operante no teu povo e nesta tua Igreja, para torná-la imagem legível do teu vulto paterno para os homens e mulheres do terceiro milênio. Ó São Luís, modelo de generosidade, com a ajuda da Virgem Mãe, que foi teu sustento para toda a vida, intercede para que esta tua terra saiba apresentar pastores santos, cristãos generosos e almas consagradas ao serviço de Cristo e do Evangelho. Amém.


A minha oração

“Nosso querido santo intercessor, concede-nos a graça de viver sob a tutela da providência. Que tudo o que fizermos esteja debaixo da vontade de Deus, isso te pedimos e cremos que nos ensinará a viver dessa forma, amém.”

São Luís Scrosoppi, rogai por nós!


Fontes:

  • vaticannews.va

  • Martirológio Romano

  • Liturgia das Horas

  • Livro “Um santo para cada dia” – Mário Sgarbossa – Luigi Giovannini [Paulus, Roma, 1978]

  • Livro “Santos de cada dia” – José Leite, SJ [Editorial A.O. Braga, 2003]

  • Livro “Relação dos Santos e Beatos da Igreja” – Prof Felipe Aqui [Cléofas 2007]

– Pesquisa: Rafael Vitto – Comunidade Canção Nova

– Produção e edição: Fernando Fantini – Comunidade Canção Nova


0 visualização